TRANSCENDÊNCIA.

Minha foto
Meu nome completo é Ivone Henriques Sato, sou casada e feliz por ter encontrado o amor em minha Vida com "V" MAIÚSCULO,como costumo dizer e escrever, aqui deixo meus pareceres sobre a Vida, minha linda e amada Vida que ganhei de presente. Sim, de presente, viver é mesmo um lindo presente, portanto agradeço imensamente, principalmente aos meus familiares queridos, meu casal de filhos, casados, felizes, meus netos amados, dois lindos casais, hoje estão ficando adolescentes, eu, ah, sou uma sexagenária feliz da vida!!!

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Tantas coisas são supérfluas...

Medito toda vez que entro aqui e quero escrever algo de bom para vocês que me dão o prazer de os receber!
Anseio pelo infinito e conecto com a minha presença temporária por aqui, nesse mundo terreno que há inúmeras possibilidades!
Minha constituição é vida, vida da minha Vida, dedico-me com afinco e persistência em sentir além de mim, meditar pra mim é isso, saber sair de mim, aquietar minha mente que é o que mais me faz dispensar esforços, manter a coluna vertebral reta e respirar com todo o direito que tenho ao ar!
A emoção sob domínio me faz ver misticamente, coisas maravilhosas, muito bacana, mas isso não é meditar, acho que nem sei meditar, acredito que só quando me ponho a escrever é que posso dizer isso, aqui medito!
Quando eu me tornar capaz de agir de forma impessoal e não mais esperar colher os frutos de minhas ações, ai sim, quem sabe começarei a meditar!
A Vida por si só já é uma benção, de forma saudável então, melhor ainda, portanto ainda posso dizer que tenho essa minha vida como um presente e que assim a reconhecendo vou indo cada vez melhor, para poder dizer que o resto, além disso que digo aqui, é supérfluo!
Tantas coisas são supérfluas, nem precisamos de muito para viver feliz, acho até que, quanto mais se tem mais trabalho nos dá para os conservar, estou pensando seriamente em desfazer de muitas coisas para quem sabe me dedicar mais em viver, somente isso, viver!

Ivone 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Educação e liberdade!

Quando busco a verdade, observo com atenção e cuidado, as minhas emoções, são elas, as emoções, que circulam pela minha alma.
Dai digo "minha verdade", pois somente com minha verdade eu convivo com minha alma, minhas emoções, minha Vida!
Choro quando preciso chorar, rio, sorrio, converso, sinto as pessoas que se aproximam, não me precipito a me mostrar opinando de imediato, pois até as emoções podem nos enganar, mas que são mesmo as que nos levam para frente ou para trás!
Educação e liberdade, ser educado é também ser preparado para ser livre, isso não é ensinado, pois a sinistra ideologia nos diz que somos animais e se não formos reprimidos nos violentaremos sem pudor.
Mas o que vemos é o contrário, quanto mais se reprime, mais violento o sujeito fica, portanto a violência é consequência da repressão.
Quando se é educado para ouvir, perceber e sentir e até se fazer entender, dando a liberdade de escolha, a pessoa vai se sentir livre e leve para decidir com o benefício da liberdade com a harmonia e paz no coração, isso leva a liberdade de expressão e aprendendo a pensar por si. 
Nossa, como isso está fazendo falta, a liberdade de escolher e ser cada qual o próprio protagonista de sua vida!
Amo minha educação, a tive desde o berço e por atração dos semelhantes, todos os que atravessam meu caminho são tremendamente bem resolvidos. 
Pensar faz a diferença, não façam nada sem antes contar até dez, pois em momentos tensos e explosivos, muitas pessoas se perdem sem achar o caminho de volta!

Ivone.




quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Lendo sobre Judá e Tamar cheguei ao contexto principal, a ascendência de Jesus!

Como todos os leitores da bíblia, eu também gosto de ler, não como religiosa, mas como leiga que gosta de refletir sobre tudo.
Tem uma passagem que achei interessante sobre Judá e Tamar!
Não leio de fio a pavio, mas com alguma intuição sempre acho algo bom, que me prende a atenção.
Judá fez o casamento do seu filho (primogênito) com Tamar, pela lei do levirato (primogenitura) o primeiro filho teria de se casar antes dos outros filhos e dar um primogênito varão ao pai.
Tamar, a nora de Judá, por motivos desconhecidos não tivera o filho e o marido morrera, isso fora considerado "castigo de Deus" e pela lei, o segundo filho de Judá foi o sucessor, no caso o cunhado a se casar com a viúva do irmão para tentar ter o filho varão.
Mas esse também morrera, sem dar o filho e de novo um alarde, (castigo?!).
Tamar de novo viúva em situação difícil, pois não poderia se casar com outro, somente com o outro irmão, no caso o caçula.
Precisou se resguardar esperando o filho caçula ir ter com ela, o tempo foi passando e Judá não queria que seu filho caçula tivesse o mesmo fim, foi protelando, não cumprindo a promessa, mas Tamar se impacientou com isso.
O tempo passou e Judá também enviuvou e Tamar tramou uma forma de sair da situação, exigir o seu direito e o jeito que achou foi armar uma cilada para Judá!
Sabendo que ele passaria em determinada hora em um lugar e sendo viúvo ela poderia passar por prostituta, cobrindo o rosto para não ser reconhecida.
Aconteceu como o premeditado, naquele tempo podia mandar o pagamento depois por uma pessoa de confiança, Tamar sabia disso e se preveniu, mesmo sabendo que ele pagaria, pediu como comprovante o cajado e um anel, caso engravidasse teria como provar que o filho era do sogro.
Sem a prova ela não poderia requerer o direito de ser a mãe do filho primogênito.
Engravidou,Judá se enfureceu, quis mandar a nora para a fogueira, pois pensou que ela tinha quebrado o trato, enfim...!
Mas com as provas não teve outra alternativa, aceitou e deu todos os direitos e por ocasião do nascimento foi sabido que eram dois meninos(gêmeos), sendo assim a parteira precisaria saber qual seria o primeiro, um deles colocou o bracinho para fora, foi amarrado uma fitinha vermelha para o identificar, mas ele puxou o bracinho de volta e quando nasceu o primeiro era o que estava sem a fitinha, portanto o que não tinha a fitinha e deram -lhe o nome de Farés, (o primogênito), o que seria o primeiro estava com a fitinha ficou sendo o segundo, deram-lhe o nome de Zara.
A própria mãe disse ao filho sem a fitinha, mas que nasceu primeiro, "fostes esperto"!
 Claro que na linguagem bíblica fica tudo meio difícil de entender, mas como já disseram em frase, que quem lê e não entende o que leu é o mesmo que não ler, aí eu fico refletindo e é por isso que acho que aprendo com isso.
 Em meu modo de entender, as mortes dos maridos não foram castigos de Deus, mas culpas por terem sido obrigados a se casarem sem nem sequer se amarem, o primeiro talvez fosse até homossexual?!
Culpas causam doenças terríveis!
O segundo poderia até ter praticado coito interrompido, pois é, tem disso na vida, ambos poderiam sim ter ficado gravemente doentes por culpas e insatisfações?!
Quem quiser pode até investigar e sei que encontrarão, assim como eu encontrei com minhas intuições o porquê dessa história, pois Jesus é descendente de Farés, pesquisei na própria bíblia na parte dos nomes intermináveis, embora cansativo, mas está lá escrito.
Pensem?A bíblia tem três evangelhos sinópticos, escritos com as mesmas palavras e nas mesmas ordens, por isso eu a leio de forma que lendo um já se lê outros, é como se fosse plágio,pois, eu andei lendo alguns livros e a mim pareceram que as histórias foram escritas todas do mesmo jeito?!
Parece um livro muito longo e de difícil entendimento, mas não, é só ter um pouco de paciência que se lê rapidamente podendo entender bem.
Lendo um livro no contexto se lê todos, nem sei quem complicou tudo?!
Quase toda é escrita sobre a vida de Jesus. Mas é um livro instigante, maravilhoso, nos faz pensar! Lendo sobre Judá e Tamar cheguei ao contexto principal, a ascendência da vida de Jesus!

Ivone

P.S. Não gosto de postagem longas para não cansar meus leitores, mas aqui tentei resumir o máximo, espero que tenham gostado!
Abraços apertados!

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Praticar a alegria!

“Aprender a não levar a vida tão a sério é um dos maiores presentes que você pode se dar e compartilhar com os outros. Quando conseguir, você não se preocupará mais com as pequenas coisas ─ nem com as grandes.” Richard Carlson 
Hoje é um dia para praticar a alegria, a saudável, aquela em que se pode recordar com saudade as boas lembranças de velhos carnavais, mas saudosismo não nos leva a lugar nenhum, então vamos curtir o que há de bom por aí! 
As escolas de samba estão lindas, aqui em Sampa estão fazendo a alegria dos paulistanos e paulistas! Sou paulistana paulista, pois nasci na Capital, cujo nome é o mesmo do Estado, minha linda São Paulo. 
Minha mãe me contava muitas coisas quando eu era criança, tínhamos bom diálogo, ou melhor, eu perguntava e ela respondia com alegria, me dizia que eu nasci no dia do carnaval, foi muito lindo para ela, pois naquele tempo, 1949, precisamente dia primeiro de Março, (com "M", pois para mim é um mês importante, eu nasci)! 
Não sou esnobe, não sou de falar de mim para exaltar coisas que não seja importante, tampouco deixo de dizer que viver é o maior dom que se pode ter, assim aqui deixo sempre algo para que pessoas possam viver bem assim, com alegria na vida que nos foi dada e se existimos é por sermos muito importantes, só por isso vibro a cada momento! 
É muito importante quando os pais ensinam aos filhos a terem confiança na Vida, embora nem sempre podemos dizer que tudo o que nos chega ao conhecimento é bom e exemplar, mas viver é isso mesmo, tentar vencer o lado ruim e seguir feliz, assim aprendi e ensinei aos meus filhos que hoje são bem sucedidos, na vez deles que ensinaram aos seus filhos também, meus netos amados e queridos.
Sou uma sexagenária feliz e realizada, mas que ainda espera muito da Vida, amo sorrir e praticar a alegria, afinal, nasci em um dia de carnaval!
Feliz carnaval para todos nós, brasileiros que precisam se alegrar para as dores esquecer! Feliz dia de alegria, mas alegria saudável, mesmo em casa vendo pela TV se pode se alegrar, criatividade não falta, todos juntos em harmonia e alegria! 

 Ivone

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Minha alma é tácita!

Conhecimento tácito é aquele que o indivíduo adquiriu ao longo da vida, pela experiência, muitas vezes difícil de ser explicado, pois é subjetivo e inerente às habilidades de cada um.
Para os psicólogos e filósofos, o conhecimento tácito é um objeto de estudo bastante interessante, pois se trata de um modelo de aprendizagem difícil ou impossível de se transmitir para outras pessoas, pelo menos não através de métodos didáticos tradicionais.
Andar de bicicleta, por exemplo, pode ser considerado um conhecimento tácito, pois é necessário apenas habilidade para aprender, sendo desnecessário instruções escritas ou orais.
Tácito, não se explica,  Explícito é o seu oposto.
Gosto de poder entender algumas coisas em que penso e repenso e nem sempre consigo explicar, pois as sensações, os sentimentos, as percepções de tudo depende de cada um, é algo que individual.
Um conhecimento explícito, por exemplo, consegue ser transmitido através de uma explicação formatada, com gráficos, palavras, imagens e de forma objetiva.
Já o conhecimento tácito é subjetivo, de difícil assimilação, visto que está presente de maneira particular em cada indivíduo, de acordo com a sua vivência.
Os conhecimentos tácito e explícito podem funcionar de forma complementar.
A Vida com "V", como gosto de dizer e escrever, pois assim não fico olhando o que não é do meu interesse, pois me interesso muito em tudo o que já foi mostrado em tempos remotos com os experimentos dos filósofos.
Amo Mitologia, livros de filosofia, já li muitos clássicos, me prendo na História, meu marido brinca e diz que vivi no tempo de Matusalém, eu rio disso, mas acho que minha alma é a que vai muito além, minha alma é tácita!

Ivone.


domingo, 21 de janeiro de 2018

"O desgosto pode tomar conta de si próprio, mas para tirar todo o partido de uma alegria, temos de ter alguém com quem a partilhar. " Mark Twain

Que a Vida é única, cada qual em sua individualidade, tem de ter a alegria verdadeira que é a que se compartilha, adoro poder compartilhar minhas alegrias, mas para tanto preciso dizer o que me faz ser alegre e feliz, mas só digo de forma generalizada, "me sinto feliz"!
No momento o que me faz alegre e feliz é ver os meus entes queridos felizes também, isso é algo que não posso deixar de salientar, embora eu diga o nome do santo, mas nunca o milagre, ao contrário do dito popular que diz:"-conto o milagre mas não o nome do santo".
O nome do Santo é a minha fé na Vida, a vida pra mim é a Luz que anima minha alma, acredito que cada um de nós tem um Protetor, um Anjo da Guarda, ou o Nome que queiram dar.
Quando sentimos essa Luz, podemos dizer que estamos na paz, eu sinto isso a todo momento em minha Vida, a minha alegria é natural, acho que já nasci assim, reconheço-a e é só o que se precisa fazer, reconhecer e agradecer.
Há muitas formas de riso, sorrir alegremente e feliz e/ou rir das coisas que são "piadas", mas não gosto das de mal gosto que salientam problemas alheios, esses são os que precisam ser respeitados, as diferenças, eis isso que não há como fazer as pessoas entenderem, as diferenças existem e tem de haver respeito.
Não é de bom tom rir de tudo, mas é bom rir, pois o riso é o reconhecimento natural das coisas que são  ridículas, pois é, não se ri do que não se entende, se ri do que entendemos e reconhecemos o quanto há de ridículo em muitas coisas que lemos e vemos!
Estou, no momento, particularmente muito feliz, ando realizando os meus intentos, isso me fortalece e me faz renovar!
Conto o "santo", mas não conto o milagre!

Ivone


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Autovalorização dá trabalho, mas vale a pena!

Viver, muitas vezes a vida nos traz lutas, mas não precisaria ser assim, lutas constantes, entre essas lutas, as que mais nos atormentam são os dilemas íntimos, sim, esses que se repetem constantemente depois de dizermos um "não", pois as pessoas querem sempre os "sim", ai dos atrevidos a dizerem "não"!
Nem preciso dizer aqui que não tenho dificuldade em dizer "não", se é "sim" é um bom sim, do contrário, ah, é "não" e não mesmo!
Acho que quaisquer atitudes que tomarmos para evitarmos as repetições dessas contrariedades, são e serão louváveis, não só pelo alívio que sobrevém em nossa alma, como para infundir ânimo renovado a continuação de nossas lutas internas!
A teoria nem sempre se condiz com a prática, tampouco nossos dilemas podem nos levar a determinar nosso destino, no caso o destino de nossas vidas, pois isso é comum a todos nós que temos alma e independência de sentir e viver!
Temos alma subjetiva e personalidade objetiva, sendo assim as lutas sempre existirão, mas não podemos vencê-las sem aprender a dizer "não", tanto pra nós mesmos como para "ozotros" que, se não cuidarmos, tomam conta e nos levam a nos perdermos de nós mesmos!
Autovalorização dá trabalho, mas vale a pena!

Ivone